Free JavaScripts provided
by The JavaScript Source

Conto de Meninas - UOL Blog



Meu Perfil
BRASIL, Centro-Oeste, GOIANIA, Mulher, de 46 a 55 anos, Portuguese



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Mesa 27 - O Livro
 BOL - E-mail grátis
 ParadaLes
 Livre Arbítrio
 UOL - O melhor conteúdo
 Editora Malagueta
 Singelas Leituras
 Coisa Que Não Sei
 Contra a Intolerância
 Magia e Poesia





relojes web gratis




Free counter and web stats


 
Conto de Meninas


Patrícia

Capítulo 81

 

O baque inicial causado pela surpresa logo foi substituído pela polidez e tranquilidade de sempre.
___ Bom dia, dona Marta...
___ Bom dia...Tudo bem?
___ Sim, tudo. E com vocês?
___ Tudo bem... Entra aí, estamos tomando café da manhã...
___ Pois é, cheguei muito cedo e sem avisar, me desculpa... O rapaz da portaria já me conhece... disse pra eu subir...
___ Ah, não importa...
Ao reconhecer a voz de Iara, Patty olhou para Cíntia, sacudiu os ombros como quem diz ‘não sei o que está acontecendo... e não tenho nada a ver com isso’. Emudeceram e esperaram. Cíntia segurava a respiração. Logo, Iara se aproximou da mesa, com dona Marta atrás dela, na expectativa.
Com uma voz muito mais baixa do que normalmente tinha, ela as cumprimentou:
___ Bom dia, Patty... Bom dia, Cíntia...
E olhando diretamente para Patrícia:
___ Quero te pedir desculpas pela entrada intempestiva... Mas preciso muito falar contigo...
Mais uma vez Patty olhou para Cíntia, desta vez como se pedisse desculpas pelo que diria a seguir.
___ Confesso que estou muito surpresa com sua presença aqui...
Cíntia fuzilava Iara com os olhos e, não conseguindo esperar que Patty terminasse a frase, disse:
___ Será que vai começar tudo de novo, Patty? – e olhando para Iara - Quando é que você vai nos deixar em paz, hein?
Dona Marta interveio, temendo uma situação sem controle.
___ Calma, gurias... Cíntia, vamos deixá-las a sós...
___ Não, mãe... – interrompeu Patrícia – vocês ficam aqui, terminem o café... Vem comigo, Iara. Vamos resolver isso de uma vez por todas!
Virando-se para uma Cíntia atônita e uma Marta com o coração na mão, ela pediu licença, e seguiu Patty rumo ao quarto. Assim que elas sumiram de vista, Cíntia deixou as lágrimas rolarem pelo seu rosto. Suspirado, dona Marta pegou sua mão por sobre a mesa:
___ Calma, pequena... A Patrícia é ajuizada... Sei lá... Pelo menos eu espero que ainda seja... Ela vai se sair bem dessa situação...
Enquanto caminhavam para o seu quarto, Patrícia ia dizendo:
___  Escuta, você tem algum problema, ou é alguma dificuldade inédita que te impede de agir como uma pessoa educada?
___  Eu vim porque é importante...
___ Tomara que seja mesmo, porque não quero magoar ninguém... E também não quero mais ser magoada...
Apontando a cadeira para Iara, Patty se sentou na cama. Sentia-se agitada, nervosa, mas se esforçava para demonstrar calma.
___ Eu tenho certeza de que já não há mais nada de relevante para ser dito entre nós...
___ Você está muito bonita, Patty... Com essa cara de brabinha, então... Sinto saudade da gente...
___ Sério! Você não veio até aqui pra desfiar esse monte de frases feitas... Lugar-comum... Por favor, vá direto ao ponto!
Mudando de postura e de atitude, Iara se defendeu:
___  Tens toda razão, Patty! Eu quero apenas te pedir desculpas...
___  Ok, mas nem sempre eu dou o que me pedem... Acho que o seu pedido não vai mudar nada, mas fala... de repente... talvez seja tarde demais!
___ Não, não é tarde demais... Eu só preciso que você me ouça, Patrícia...
O semblante calmo e determinado de Iara a convenceu.
___ Tudo bem. Pode falar. 
Iara respirou pausadamente e continuou:
___ Quero te pedir desculpas por quase todas as coisas desagradáveis que te fiz... Sabe, parece mentira, mas a noite passada eu vivi a primeira passagem de Ano-Novo da minha vida como uma ‘mulher adulta e realmente livre’.
Patrícia fez um gesto com as mãos que quer dizer: “ E daí?” E Iara respondeu.
___ E daí que eu não me comportei bem... Não agi como essa mulher que descrevi agora. Agora de manhã a Vânia representou o papel do espelho... Eu vi no olhar dela o reflexo de uma mulher que nem de longe lembra aquela mulher que cheia de sonhos e sedenta por liberdade... Mas, enfim, não reagi bem às palavras que ela me disse, mas depois me senti mal, estranha...
___  Ainda não estou entendendo aonde você quer chegar, Iara.
___ Por favor, Patty... Quando te conheci, eu senti que todos os meus anseios e medos acabavam de perder a importância. E que, Sim, eu seria capaz de fazer todas as mudanças. Conhecer você foi decisivo na minha vida. Se não fosse a sua aparição, eu não teria tido coragem para pegar a maçaneta e abrir a porta da saída...
___ Tá bom, Iara, mas você já me havia dito todas essas coisas em outras palavras...
___ Eu sei... Só que não tenho sido feliz. Eu acabei me perdendo dentro desta liberdade que conquistei...  Perdi o foco. Estou agindo feito uma adolescente deslumbrada diante de um ídolo.
___ Poxa! Eu me lembro de todas as vezes que eu tentei te trazer pra realidade...  E você sempre foi tão resistente, tão turrona! O que aconteceu, afinal? Resolveu fazer terapia? A gente se falou outro dia... Acho que você se lembra de como terminou aquele papo. De repente tudo mudou...
___ Mudou muito mais do que eu gostaria! Sei que agora eu não tenho mais nenhuma chance contigo... Por isso vim para te libertar de qualquer culpa...
Nesse momento Patty deu um pulo e, caminhando, chegou bem perto dela:
___ Culpa? Você não me conhece mesmo, Iara! Que culpa eu teria para carregar? Eu fiz tudo o que podia pela nossa relação... Eu estava apaixonada por você, Iara! Acorda!!
___ Para, Patrícia... Foi apenas força de expressão! Quero mais é que você siga seu caminho... Mas... Será que você me amava mesmo? Que amor é esse que acaba da noite para o dia?
Passando as mãos pelos cabelos, num gesto típico de quem não quer ficar dando explicações, Patty respondeu:
___ Não era amor, era paixão. E paixão tem prazo de validade. Acabou.
Fazendo cara de desapontada, Iara se apressou em dizer:
___ Ok, Patty, vou retomar o assunto que me trouxe até aqui. A partir de agora eu vou tentar ser aquela menina-mocinha-mulher-pessoa que encara a vida como ela quer ser encarada:de forma equilibrada e sem pressa.
___ Bah, que coisa indecisa!
___ Indecisa eu não sou! Desde o início eu estava decidida a mudar o destino que me impuseram! Talvez eu seja daquele tipo de pessoa que demora a tomar uma decisão... E é obvio que, se eu vim até aqui, é porque não quero ficar constrangida ou te causar o mesmo quando nos encontrarmos pela cidade. De verdade, Patty, eu quero te ver muito feliz com a Cíntia da mesma forma que vou me aquietar, vou crescer e assumir minha vida de vez...
___ Bom, já não era sem tempo. Ainda bem que você acordou... Vá em paz, Iara...

Levantando-se, Patty saiu do quarto. A muito custo evitou as lágrimas. Não podia evitar o sentimento de perda que novamente a invadia. Somente quando chegou à sala percebeu que Iara não vinha logo atrás como imaginara. Vendo os olhares de interrogação da mãe e de Cíntia, fez um gesto de impaciência e voltou. Iara continuava no mesmo lugar. Depois de alguns segundos em silêncio, Patty se surpreendeu dizendo:
___ Juro pra você que eu queria ser totalmente indiferente às suas palavras e à sua presença...
___ Então, eu tenho uma chance contigo...
___ Não! A questão não é chance, não é recomeço... Não estou voltando atrás na minha decisão...
___ Difícil entender, então...
___ Eu sonhei muitas coisas... planejei muitas realizações para nós duas, Iara...
___ Mas...
___ Mas hoje eu consigo enxergar você e a mim mesma de forma bem diferente de antes...
___  Você ainda me ama, Patty?
___ Quando eu me enxergo daqui a dois anos, não me vejo do teu lado...
___ Você ainda me ama, Patty? – Iara repetiu.
A pergunta que Patrícia tentou ignorar não poderia ficar sem resposta mesmo que esta não fosse satisfatória.
___ A nossa relação já começou para não dar certo, para ficar na lembrança... um encontro inusitado, a obsessão para te reencontrar... A decepção, o medo de perder... A perda...
___ Você está me confundindo, Patty...
___ Eu perdi você... Pra sempre...
___ Não, você me tem a hora que quiser!
Iara quase se atirou nos braços dela.
___ A vida me fez enxergar a pessoa que vai me fazer feliz, a pessoa que eu vou ajudar a ser feliz... Perdi você e ganhei a Cíntia... E é a ela que eu amo...
___ Por um momento eu me enchi de esperança...
___ Não perca a esperança, Iara... tudo o que você me disse hoje deixa claro que houve uma mudança... Não perca essa moça que está te ajudando a se enxergar. Não saia pela vida perdendo as pessoas que ama.
Iara, fazendo uma pose altiva, olhou bem para Patty e se despediu.
___ Você tem razão, vou cuidar da minha vida! Vou indo antes que você inicie um daqueles seus intermináveis sermões! Até qualquer dia, Patrícia... Vou tentar guardar as melhores lembranças... Tente fazer o mesmo...
E saiu sem olhar pra trás. Como das outras vezes.

Algum tempo depois, Patty voltou para a sala e, muito quieta, jogou-se no sofá. Cíntia, calada, esperava seu retorno. Ao notar que Patty chegava à sala, Dona Marta disfarçou e deu um jeito de ir para a cozinha. Sem conseguir se segurar, Cíntia sentou-se ao seu lado e logo quis saber:
___ E então, ela virou a sua cabeça de novo? Devo me preparar para sair daqui? Mas já vou avisando que desta vez será pra valer!
O olhar de ternura que Patrícia dedicou a ela foi um daqueles momentos inesquecíveis que acompanhariam Cíntia por muito tempo na sua vida!
___  Eu nunca vou deixar você sair de perto de mim, Cin! Eu te amo, garota!

 




Escrito por MariaN às 17h15
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]